Sitio Letreiro - Canindé de São Francisco/SE

Nossa História

A Opará Arqueológico, idealizada pela artesã e arqueóloga Beijanizy Abadia, é uma empresa de impacto social que pesquisa, produz e comercializa moda, acessórios, decoração e peças artesanais inspiradas no Patrimônio Arqueológico Brasileiro. Fundada em 2019 em Aracaju/SE, a Opará teve inicialmente como inspiração os sítios gráficos localizados nos sítios da região de Xingó, na confluência dos estados de Sergipe, Bahia e Alagoas. O nome Opará é a denominação tupi para o Rio São Francisco e significa “rio grande como o mar”. Partindo desta inspiração, a empresa buscou trazer através da ciência arqueologia e da arte, os ecos das vozes dos povos originários de suas margens.
A Opará nasceu com o intuito de realizar um trabalho colaborativo com as comunidades dos entornos desses sítios, promovendo a geração de trabalho e renda através de uma visão ética que integra as dimensões econômica, humana e ambiental. Praticamos o comércio justo valorizando as demandas locais, sem barganhar com os artesãos, e buscamos promover a valorização da cultura, dos conhecimentos e da sensibilidade das comunidades, com seus ofícios artísticos. Acreditamos que a união entre a arqueologia, o artesanato e a inserção das comunidades através da prática do comércio justo, dando voz e lugar aos artesãos, pode fazer a diferença na redução das desigualdades, na preservação dos sítios arqueológicos e do bioma da caatinga. Como meio efetivo de promover a preservação, difusão e democratização do patrimônio cultural arqueológico, torna-se necessária a sensibilização da população para a importância da preteção de nossos sitios.
Com todas as mudanças trazidas pela pandemia, tivemos que nos reinventar. Partimos para o mundo digital, sem abadonar nossos princípios de inclusão das comunidades e de divulgação do conhecimento arqueólogico. Conhecer  a riqueza e a fragilidade de nossos sítios arqueológico e primeiro passo para a preservação de nosso patrimônio material, pois nós somos só cuidamos daquilo que conhecemos e amamos!
Em 2021 veio outra grande mudança, a transferência do nosso atelier para Goiânia/GO, mas sem abandonar Sergipe e a região nordeste, nosso locus de maior inspiração e onde concentramos nosso setor de vendas. Alçando novos voos estamos trabalhando com outros sítios arqueológico, para além do Complexo Arqueológico de Xingó, buscando demonstrar para o público as belezas da cultura material brasileira e da produção acadêmica das instituições de ensino e pesquisa de nosso país. 
 
Em outubro de 2021 lançamos a "Coleção Memórias na Pedras", inspirada nas pesquisas realizadas pela arqueóloga Claudia Minervina Cunha Kachimareck região na Chapada Diamantina/BA. A coleção possui camisetas em 100% algodão, bolsas e outros acessórios com detalhes de três sitios arqueológicos em sete estampas muito especiais e com informações sobre os sítios serigrafados nas peças. para conhecer mais sobre as pesquisas acadêmicas que são referência para esta coleção, visite nosso blog.
Atualmente estamos com nossa loja física no Mercado Antonio Franco em Aracaju/SE, o lugar mais charmoso da cidade. Estamos esperando sua visita! 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
A temática arqueólogica de Xingó é nossa inspiração em nossas peças estampadas a mão livre, como camisetas femininas, vestidos, bolsas e outros acessórios.
Vista história, use Opará! Conheça e proteja o Patrimônio Arqueológico Brasileiro.
                                                         Complexo Arqueológico de Xingó
 
De acordo com os dados de pesquisas arqueológicas iniciadas na década de 1980 no âmbito da construção da Usina Hidrelétrica de Xingó, os primeiros habitantes chegaram na região há cerca de 9 mil anos, tratando-se provavelmente de grupos de caçadores-coletores que ocuparam áreas que hoje são identificadas como terraço. Durante o Projeto de Salvamento Arqueológico de Xingó (PAX) foram localizados 15 sítios de registros gráficos perfazendo um total de 700 gravuras e 729 pinturas rupestres.
Atualmente o Complexo Arqueológico de Xingó, que inclui os municípios de Canindé de São Francisco/SE e Poço Redondo/SE, Paulo Afonso/BA, e ainda Delmiro Gouveia e Olho D'água do Casado/AL, possui 159 sítios cadastrados no IPHAN e cerca de uma centena em fase de castramento. Visite o Museu de Arqueologia de Xingó - MAX e conheça mais sobre as histórias ancestrais do nordeste brasileiro.
Para conhecer mais sobre os sítios rupestres da região de Xingó, clique aqui!

IMG_20220427_152004_edited.jpg
IMG_20191125_091959_edited_edited.jpg
Sitio Marimbondo - Olho D'água do Casado/SE